sexta-feira, setembro 12

Sorte de Carreiro *



Em conversa agradável entre Valtinho de Unaí e Maurício Araújo[1], nota-se o quanto esse carreiro é apaixonado pela lida do carrear. É presença certa na festa, quase sempre trás os filhos e amigos para participarem. Segundo ele, essas festividades fizeram com que muitos proprietários tirassem os carros esquecidos há muito tempo nos galpões e os colocassem de volta na estrada, para manterem a tradição e fazerem com que os mais velhos chorem de emoção ao reviverem o passado. Valtinho de Unaí considera o povo vazantino como sua família, por consideração, respeito e amizades sinceras, que tem na cidade e arredores. Nessa conversa, o unaiense relata que aconteceu uma tragédia com a sua boiada, mas que teve um final feliz. No dia 19 de dezembro um ladrão furtou sete de seus bois, e os estava levando para o matadouro,  felizmente, policiais da barreira de Paracatu ‒ pasmem! ‒ reconheceram os bois e informara ao Valtinho. Dessa forma, Valtinho conseguiu reavê-los. Para ele, se não participasse da festa de carros de boi de Vazante,  esses policiais não conheceriam os seus bois,  e eles tinham ido para o abatedouro.



[1] Entrevista cedida pelo amigo Maurício Araújo.





* Trecho do livro: FESTAS DE CARROS DE BOI, do escritor Rogério Corrêa

Para continuar lendo acesse um dos links abaixo:



Boa leitura,

www.iceib.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário